Beleza, Cirurgia

Além do silicone: cirurgias para remodelar os seios sem o uso de próteses

As cirurgias para aumento, redução ou levantamento dos seios está entre as mais procuradas pelas brasileiras. Em 2015, de acordo com ranking da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS – International Society of Aesthetic Plastic Surgery), foram realizadas mais de 1,2 milhões de cirurgias estéticas no Brasil; destas, cerca de 30% nas mamas.

A campeã é de longe a colocação de próteses de silicone. Mas existem outras opções para quem quer apenas reduzir ou levantar as mamas. Cada cirurgia tem uma indicação diferente, e quem vai decidir qual é mais indicada para cada caso é o cirurgião plástico. “Às vezes combinamos mais de uma técnica para atingir o resultado desejado pela paciente”, explica o cirurgião Dr. Felipe Coutinho.

Confira os principais procedimentos para as mamas que dispensam o uso de silicone:

MAMOPLASTIA REDUTORA
Só quem tem sabe: seios muito grandes podem ser bastante desconfortáveis, provocar dores na coluna, pescoço e ombros e acelerar a flacidez natural da região. Isso sem falar no incômodo estético e em seu impacto na autoestima. Nesses casos, a mamoplastia redutora é a saída.

O cirurgião retira parte do tecido mamário e remodela os seios, para adequar seu tamanho e peso à dimensão do tórax da paciente. A aréola também pode ser reduzida e reposicionada. Em casos de mamas com flacidez excessiva, pode ser necessário o uso de próteses de silicone.

As cicatrizes mais comuns decorrentes das cirurgias de mama são em formato de T invertido ou em L, e ao redor das aréolas. Têm geralmente de 3 a 5 cm de comprimento, mas podem ser maiores, dependendo do tamanho das mamas e do tipo de cirurgia. As cicatrizes são discretas, e podem ser facilmente disfarçadas com o uso de biquínis e tops. O processo de cicatrização varia de paciente para paciente, mas gira em torno de quatro semanas. O processo exige acompanhamento do cirurgião no período pós-operatório, e os cuidados devem ser seguidos à risca para não prejudicar o resultado.

Tempo de recuperação: A internação dura de 12 a 24 horas. Os pontos, quando não são absorvíveis, devem ser retirados entre uma e duas semanas. É importante evitar a movimentação dos braços nesse período, e não carregar peso durante um mês. Em uma semana já está liberada para o trabalho e atividades leves. Durante esse período deve-se usar um sutiã de sustentação durante as 24 horas do dia. É recomendado dormir com a cabeça elevada por 15 dias, e de barriga para cima por, no mínimo, 30 dias. Atividades físicas de impacto só estão liberadas a partir de três meses.

MASTOPEXIA
Também conhecida como lifting de mamas, a mastopexia é uma cirurgia de remodelamento dos seios. É indicada para quem não tem problemas com o tamanho, mas sofre com a flacidez resultante de perda de peso excessiva, gravidez ou envelhecimento. O cirurgião remove o excesso de pele, eleva as mamas para a sua posição original e reposiciona a aréola.

>>Leia mais: Abdominoplastia reduz incontinência e dores nas costas, conclui estudo
>>Leia mais: Dossiê Botox: O que é, quanto dura e o que há de novo


É preciso avaliar a textura e a densidade das mamas para que a mastopexia tenha um resultado satisfatório. “Mamas muito flácidas e com pouca densidade podem precisar de uma prótese pequena para conseguir a firmeza e o volume desejados”, diz Dr. Felipe Coutinho. As cicatrizes são similares às da mamoplastia redutora, e exigem os mesmos cuidados.

Tempo de recuperação: A internação e a retirada dos pontos é feita em tempos similares aos da mamoplastia. Exercícios físicos leves estão liberados depois de 40 dias.

LIPOFILLING
Aumentar os seios sem usar silicone? É possível, desde que a paciente tenha um reservatório de gordura para ser usada como “preenchedor”. O lipofilling, também conhecido como lipotransfer ou lipomodeling, é uma cirurgia relativamente recente, e pode ser feita também nos glúteos, coxas e face, além das mamas.

Primeiro o cirurgião faz uma lipoaspiração da gordura localizada – geralmente abdômen, coxas ou dorso. Em seguida, essa gordura é centrifugada e purificada. A gordura é então injetada nos seios por meio de cânulas finas, atrás da glândula mamária.

Como é feita com gordura do próprio corpo, tem menos risco de rejeição – as contraturas por silicone acometem apenas 2% a 3% das pacientes, e geralmente a prótese precisa ser trocada em algum momento no futuro. O tamanho da cicatriz é outro ponto a favor: são feitas pequenas incisões para a colocação da gordura, com cicatrizes de menos de 7 mm.

Por outro lado, pode ser necessária mais de uma cirurgia para atingir o tamanho máximo. Isso porque boa parte da gordura, de 20% a 40%, é reabsorvida durante os primeiros 6 meses.

Tempo de recuperação: As pacientes retornam às atividades normais geralmente depois de uma semana. Exercícios físicos são liberados depois de um mês. Podem aparecer manchas e inchaço, que duram de 3 a 4 semanas.

O que acontece nos homens?
Nos homens pode acontecer o crescimento da glândula mamária. Esse fenômeno leva o nome de ginecomastia. Essa hipertrofia das mamas é normal em adolescentes na faixa dos 13 aos 17 anos, como consequência das alterações hormonais, e costuma desaparecer naturalmente em alguns meses. Mas em cerca de 5% das vezes, a hipertrofia persiste até a vida adulta.

Está pensando em turbinar os seios e não sabe qual a melhor técnica para o seu caso? Marque uma consulta na Clínica Dr.Felipe Coutinho e tire todas as suas dúvidas: 11/3845-3960.

Autor